Paralisia Cerebral

Home / Paralisia Cerebral

A paralisia cerebral é definida como uma perturbação funcional do Sistema Nervoso Central (SNC), consequência de lesão neurológica ocorrida na gestação, no parto ou nos primeiros anos de vida, que não têm carácter progressivo e que apresenta clinicamente distúrbios da motricidade, isto é, alterações do movimento, da postura, do equilíbrio e da coordenação com presença variável de movimentos involuntários.

Esta alteração neuromotora, geralmente, não se deve a qualquer deficiência dos pais ou doença hereditária. Segundo Salter (1985), há muitas causas para a paralisia cerebral e as causas mais comuns são:

  • Desenvolvimento congénito anormal do cérebro, particularmente do cerebelo;
  • Anóxia (ausência de oxigénio) cerebral;
  • Lesão traumática do cérebro, no nascimento, geralmente decorrente de trabalho de parto prolongado;
  • Eritroblastose por incompatibilidade Rh;
  • Infeções cerebrais (encefalite) na fase inicial do período pós-parto.

No entanto, como esta deficiência é raramente diagnosticada até pelo menos vários meses após o nascimento, a causa precisa da lesão cerebral numa criança é frequentemente especulativa. A prevalência da paralisia cerebral nos últimos 40 anos é de 2 casos a cada 1000 bebés.

A paralisia cerebral é classificada mediante o tipo de disfunção motora presente ou de acordo com a distribuição da afetação no corpo. Assim a paralisia cerebral é “dividida” em vários tipos clínicos, sendo os mais comuns:

  • Espástica: Caracterizado por paralisia e aumento de tonicidade dos músculos resultante de lesões no córtex ou nas vias daí provenientes. Pode haver um lado do corpo afetado (hemiparésia), os 4 membros (tetraparésia) ou mais os membros inferiores (diplegia);
  • Atetose/Distonia: Caracterizada por movimentos involuntários e variações na tonicidade muscular resultantes de lesões dos núcleos situados no interior dos hemisférios cerebrais (Sistema Extra-Piramidal);
  • Ataxia – Caracterizada por diminuição da tonicidade muscular, descoordenação dos movimentos e equilíbrio deficiente devido a lesões no cerebelo ou das vias cerebelosas.

A pessoa com paralisia cerebral tem uma inteligência normal ou, em alguns casos, acima da média. No entanto, à paralisia cerebral, dependente das zonas cerebrais atingidas, pode vir associada uma deficiência mental ou pode também vir a ser anexado um atraso intelectual devido à falta de experiências resultante da superprotecção dos pais/família. As expressões faciais/descontrolo dos movimentos e/ou uma eventual deficiência na fala podem fazer aparentar um atraso mental que na realidade não existe. Podem aparecer formas mistas com diferentes sintomas, o que torna difícil a avaliação.

Texto retirado de js3.pt